Veja ao vivo no Parque do Povo! Clic link no vídeo

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Glosas IV

(dance)Tomei umas doses de cana
Vodka, conhaque e uísque
E quem for doido que risque
Fósforo nessa cabana
Pois é grande a carraspana
E só tem álcool no ar
Hoje bebo até me lascar
Virando os litros sozinho
Tanto faz, garçon, qualquer vinho
Se é pra depois vomitar!

Já tomei toda a bebida
Dos alambiques da feira
Da destilada e brejeira
Da peba à mais conhecida
Não importa qual a pedida
Só quero me embriagar
De beber vou me acabar
Até fechar o barzinho
Tanto faz, garçon, qualquer vinho
Se é pra depois vomitar!

Perdi até a conta
De quantos copos virei
Vazias as garrafas deixei
Que a cabeça anda já tonta
Mas a calçada está pronta
Que é nela que eu vou tombar
Não antes de todas tomar
Em cada bar do caminho
Tanto faz, garçon, qualquer vinho
Se é pra depois vomitar!

Todos bebem em todo canto
Noé disse: ‘o vinho criei’
E o padre: ‘tomai e bebei’
Cuidado apenas com o tanto
Apois dou uma pro santo
Só não sei me controlar
Que vinho adoça o paladar
E adega boa é a do vizinho
Tanto faz, garçon, qualquer vinho
Se é pra depois vomitar!

Vinho tinto ou branco, na chuva
Tomo até seco ou doce
Só não diga que acabou-se
Que vais pôr álcool na uva
Macerar na mão, sem luva
Até o caldo apurar
Que só quero me embebedar
Cerveja é bom com colarinho
Tanto faz, garçon, qualquer vinho
Se é pra depois vomitar!

Consta no espetacular livro POETAS ENCANTADORES do poeta e repentista Zé de Cazuza, que é do cantador repentista Pinto do Monteiro, poeta nascido em Monteiro - PB, em 1896, e falecido em 1990, esta décima glosada de forma magistral:

Para falar sobre a farra
Não é bom que eu me afoite,
Entrava à boca da noite,
Saía ao quebrar da barra.
Fui mais do que almanjarra,
Pra moer cana no dente,
Quando eu bebia aguardente,
Cerveja, vinho e quinado,
Se já gozei no passado,
Posso sofrer no presente.

Nenhum comentário: